TREINO FUNCIONAL

 

Segundo o dicionário de língua portuguesa Michaelis, treino significa ação de treinar. Já, funcional, relativo às funções vitais, em cuja execução ou fabricação se procura atender, antes de tudo a um fim prático. Sendo assim, pela associação das palavras, pode-se concluir que o treino funcional é a ação de treinar em cuja execução procura-se atender antes de tudo, ao fim prático, ou ainda, a ação de treinar para aprimorar as funções vitais.
Para Evangelista e Macedo, ser considerado independente funcional é ter capacidade e habilidade de realizar as atividades simples do quotidiano com eficiência, autonomia, independência e com baixo risco de lesões.
As atividades do quotidiano são as ações realizadas pelas pessoas com certa frequência no dia a dia como a manutenção postural, a marcha, os movimentos de empurrar, puxar, agachar, levantar, etc.
O treino funcional é aquele que tem como objetivo o desenvolvimento integrado das capacidades físicas promovendo a melhora da habilidade e capacidade funcional para realização das funções quotidianas e/ou desportivas com autonomia e segurança, sendo baseado na aplicação prática dos princípios biológicos do treino físico, em especial, o princípio da especificidade.
BONS TREINOS ATLETAS 🙂
12048732_1039414692763448_540433036_n.jpg

TREINO INTERVALADO

Treino intervalado, definido por McArdle et al. (1996), é o método de exercícios no qual ocorre um espaço dos períodos de exercícios e de recuperação. Esse intervalo de recuperação pode ser ativo ou passivo, dependendo da intensidade do treino que se pretende realizar, pois o treino intervalado consegue aprimorar a capacidade de diferentes sistemas de transferência de energia.
De acordo com Weineck (1989), o treino intervalado pode ser classificado como extenso ou intensivo, com intervalos pequenos, médios ou longos, dependendo do objetivo que se quer atingir. O método extenso caracteriza-se por um volume elevado e uma intensidade relativamente baixa, priorizando o sistema aeróbio, já no intensivo, o volume é relativamente baixo e a intensidade é elevada (excede 90% do VO2 máx), melhorando a capacidade anaeróbia.

Não vejas o desporto como um sacrifício, mas sim como um bem estar.

hiit.png

TREINO CORE

O Core refere-se aos músculos que controlam e estabilizam os movimentos da pelve e da lombar, e podem ser identificados como o complexo lombo-pélvico com aproximadamente 29 músculos.
O treino de core está essencialmente focado em preparar a postura de um individuo para enfrentar todas as atividades diárias e práticas desportivas a que está sujeito.
O Core funciona como uma unidade para estabilização do corpo e da coluna vertebral, com e sem os movimentos dos membros permitindo a criação e coordenação de movimentos de maneira que o mesmo absorva, gere e transmita força para todo o corpo. Amassa muscular presente é referida como a força motriz de todos os movimentos realizados pelos membros do corpo. Quando todo esse sistema realiza suas ações eficientemente, é notável o resultado da distribuição adequada das forças que proporciona o controlo ótimo e eficiente dos movimentos. Além disso, tem a função de proteção da coluna vertebral de forças indesejáveis que fazem parte de movimentos funcionais, onde estão presentes nas nossas atividades diárias (carregar sacos de compras, caminhar, subir escadas, levantar de uma cadeira, etc).
Muitas de pessoas estão impossibilitadas de praticar qualquer tipo de desporto ou mesmo fazer exercício físico, devido a um grupo muscular, que tem um papel fundamental para o bom funcionamento do corpo, não sendo exercitado de forma adequada, sendo tambem considerado um grupo muscular, quando bem exercitado, está relacionado com a melhoria da performance dos atletas (Santos, R. M. B., Gouveia, F. M. V., Cavalcanti, I. F., Willardsdon, J. M., Handzel, T. M.).
 
Não desistas à primeira dificuldade, luta por aquilo que queres até à tua ultima força, mais tarde serás recompensado.
trx-side-plank

COORDENAÇÃO MOTORA

“Coordenação é a interacção harmoniosa e económica do sistema músculo-esquelético, do sistema nervoso e do sistema nervoso sensorial com o fim de produzir acções motoras precisas e equilibradas, importância em várias disciplinas científicas como a aprendizagem motora, o controlo motor e o desenvolvimento motor” (Kiphard, 1976).
Segundo estudos de Meinel e Schnabel (1987), as capacidades coordenativas são requisitos fundamentais para que o atleta pratique da melhor forma qualquer que seja a modalidade, estando associados a aspetos percetivos, cognitivos e mnemônicos, sendo importante a relação entre estes conceitos.
O desenvolvimento das capacidades coordenativas é imprescindível para desenvolvimento das capacidades condicionais (força, velocidade, resistência, flexibilidade).
Greco e Benda (1998) dizem “Quer ao longo da vida, quer na iniciação desportiva, quer no desenvolvimento motor do Homem é imprescindível o trabalho de coordenação motora. Desenvolver a coordenação motora não só é importante na otimização das técnicas desportivas específicas, mas também no desempenho motor e no bem-estar do indivíduo.”
“As capacidades de coordenação são a base de uma boa coordenação sensório-motora. Quanto mais elevado for o nível mais depressa e mais seguramente poderão aprender movimentos novos ou mais difíceis” (Weineck, 1999).
Segundo estudos de Fonseca (1999), o cérebro deve integrar toda a informação, porque sem essa interacção dinâmica, o cérebro não funciona de forma adequada, fazendo com que a aprendizagem seja difícil e desmotivante para o atleta.
“Só desiste da luta quem desconhece o sabor da vitória!”melhore_passada_escada_agilidade